A fase em que aparecem os primeiros dentinhos pode ser bastante desafiante tanto para pais como para bebés.

Nem todos os bebés sentem desconforto aquando do aparecimento dos primeiros dentinhos mas para os que sentem, há que ter soluções práticas, seguras e eficazes para os ajudarmos.

Cada bebé é único mas o aparecimento dos primeiros dentinhos é muito comum entre os 5 e os 8 meses.

Quais os sinais que o meu bebé pode manifestar caso se trate do aparecimento dos primeiros dentinhos?

* Rabinho assado;

* Hipersalivação;

* pele do rosto mais sensível e reativa (principalmente à volta da boca);

* podem pedir mais maminha,

* podem estar mais quentes ou transpirarem mais (pode haver febre associada);

* estarem mais agitados e irritados;

* podem mudar as rotinas;

* redução de apetite;

* levar as mãozinhas à boca para morder;

* diarreia;

* As gengivas podem estar mais inchadas e vermelhas;

Nem sempre é fácil de se identificar se se trata realmente dos primeiros dentinhos mas rapidamente pelos sinais e vontade foraz de levar tudo à boca sentiremos que é mesmo o caso!

Partindo da aceitação de que se trata de um processo natural pelo qual o bebé tem que passar, é importante recorrer a soluções igualmente naturais e seguras para os ajudarmos.

Qualquer opção que se introduza é importante saber que poderá apenas diminuir o desconforto ou ajudar a que o processo seja vivido de forma mais confortável.

Como podemos então reduzir a inflamação, ajudar o dentinho a sair da gengiva e aliviar o desconforto?

A pressão e o frio são dois aspetos essenciais e podemos oferecê-los através de:

* fraldas ou toalhitas de pano com nós (em que molhamos em água fria previamente);

* frutas ou talos de verduras frios como a manga, banana, cenoura ou brócolos;

* Leite materno congelado;

* Mordedores seguros (de peça única e adaptados à idade do bebé) e sem ingredientes tóxicos como os de borracha natural, a raíz de íris, os de madeira ou silicone (o bebé irá levar tudo à boca pelo que é importante garantir a segurança);

* Tetinas e chupetas frias;

* Uma colher fria.

Se o bebé deixar e gostar também pode ajudar com uma dedeira de silicone ou compressa.

Em relação às soluções que se comercializam para administrar ao bebé é importante garantir que são isentas de corantes, açúcar e outras substâncias não adequadas a bebés.

Na maior parte dos casos os bebés são alimentos a leite materno exclusivo pelo que deve imperar o bom senso naquilo que o organismo estará apto para digerir e aceitar.

O aconselhamento de um profissional de saúde será sempre importante, principalmente para confirmar se a sintomática é realmente referente ao aparecimento dos primeiros dentinhos e, depois, para que seja aconselhado em relação ao que aplicar.

Algumas soluções naturais usadas há muitos anos são:

* Óleo de côco como base para 1 gota de óleo essencial de camomila (de boa qualidade e certificado) para massajar as gengivas;

* Geis naturais e sem açúcar para este propósito;

* Tintura de Camomila (pôr num dedal ou compressa e massajar ou dar a tomar ou diluir em azeite);

* Rescue Remedy em gotas;

* Tintura de Valeriana diluída para aplicação na zona.

O principal objetivo será sempre garantir que o bebé está num ambiente calmo e com poucos estímulos para que possa lidar da melhor forma com a situação.

Assim, outras opções às quais poderá recorrer são os banhos relaxantes (em que pode acrescentar à água do banho umas gotas de óleo essencial de alfazema); os famosos colares de âmbar cuja enzima libertada em contacto com a pele tem propriedades anti-inflamatórias e analgésicas; Homeopáticos e usar óleos essenciais calmantes em difusores pela casa.

No caso do bebé já ter iniciado a alimentaçãoo complementar poderá ser importante nesta fase evitar alimentos propensos à inflamação como o açúcar, refinados, fritos, picantes, grelhados, lácteos ou solanaceas.

Poderemos oferecer ao bebé mais frutas e vegetais, óleo de côco, abacate, purés de fruta e iogurtes (vegetais de côco por exemplo).

Para os bebés amamentados a maminha será sempre uma ótima ajuda, caso peçam.

Acima de tudo é, enquanto pais, estarmos confiantes que os estamos a ajudar como podemos e que vai passar.